NOVO vota contra o aumento do Fundo Eleitoral para R$ 3,7 bilhões

A gambiarra do STF para Lula!
8 de agosto de 2019
Só um deputado gaúcho se levantou contra os R$ 3,7 bi do orçamento para campanhas eleitorais
9 de agosto de 2019

O deputado federal Marcel van Hattem (NOVO-RS) participou, nesta quinta-feira (8/8), da reunião da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) para votação do texto-base e destaques da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020. Junto ao representante do NOVO na CMO, Lucas Gonzalez (NOVO-MG), o deputado Marcel, líder do NOVO, defendeu os três destaques apresentados pelo NOVO ao projeto para impedir o aumento do Fundo Eleitoral de R$ 1,7 bilhões, que poderá mais do que dobrar no próximo ano e chegar a até R$ 3,7 bilhões para o financiamento de campanhas de candidatos a prefeito e a vereador em todo o país. O acréscimo de 2 bilhões de reais terá como origem recursos públicos do Orçamento da União.

Deputados do NOVO votam contra o aumento do Fundo Eleitoral

“Fizemos questão de deixar bem clara a nossa posição. Infelizmente fomos voto vencido. Agora a proposta seguirá seus trâmites e vamos tentar derrubá-la no plenário da Congresso”, afirmou o deputado Marcel. Assista nos links abaixo aos pronunciamentos feitos por Marcel durante a reunião.

>> Primeiro pronunciamento do deputado Marcel na CMO: “A defesa do NOVO para que não sejam repassados R$ 3,7 bilhões a campanhas políticas”
>> Segundo pronunciamento do deputado Marcel na CMO: “Partidos políticos são instituições privadas e devem ser financiadas por seus apoiadores”

Membro do colegiado e autor do requerimento, o deputado Lucas Gonzalez também se manifestou de forma contrária à proposta: “Será que é mais importante as eleições de 2020 ou a população brasileira? Nós, do Partido NOVO, somos totalmente contrários a esse aumento, apesar de sabermos da importância de se discutir o custo da democracia. Estamos falando de mais de cinco mil eleições municipais no próximo ano para eleger prefeitos e vereadores em todo o país. Mas, ainda assim, pelo quadro do Brasil de 13 milhões de desempregados, de mais de 50% da população brasileira sem saneamento básico adequado e de tantos outros desafios, ao nosso ver é imoral, é irresponsável se tratar de um aumento do fundo eleitoral”, disse.

Como a votação foi simbólica pois o requerimento apresentado pelo Partido NOVO para que a votação fosse realizada nominalmente foi rejeitado, os deputados do NOVO fizeram questão de levantar os braços quando o presidente da CMO, senador Marcelo Castro (MDB-PI,) pediu para que os deputados e senadores que concordam com o aumento do Fundo Eleitoral permanecessem como estavam. Neste momento, os deputados do NOVO Marcel van Hattem, Lucas Gonzalez, Alexis Fonteyne e Vinicius Poit foram acompanhados apenas por um parlamentar, deputado Rodrigo Coelho (PSB-SC), no gesto de levantar as mãos, demonstrando sua contrariedade à aprovação.

Os comentários estão encerrados.