Governo diminui o valor para o Fundo Eleitoral de 2020 em R$ 500 milhões após alerta feito pela bancada do Partido NOVO

VERGONHA! CONGRESSO PERMITE BANDIDOS SOLTOS ATÉ 2020!
26 de novembro de 2019
Assista ao discurso de Marcel no Prêmio Ranking dos Políticos 2019
27 de novembro de 2019

Nesta terça-feira (26/11), o governo federal enviou ao Congresso Nacional uma mensagem modificativa ao Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA 2020), reduzindo a verba destinada ao Fundo Eleitoral no ano de 2020 em R$ 500 milhões. A nova posição do governo é decorrente de um alerta feito pelo Partido NOVO, que considerou alto o valor sugerido pelo governo federal e decidiu fazer uma depuração sobre os motivos que levaram o governo a chegar ao valor de R$ 2,5 bilhões, enviado ao Congresso originalmente no final do mês de agosto.

Foto: Talles Kunzler

Ao anunciar que o governo estava modificando o valor do fundo eleitoral para R$ 2 bilhões, o deputado Marcel van Hattem (NOVO-RS) explicou qual foi o equívoco de cálculo que gerou o acréscimo no Fundo Eleitoral. “Foi refeito o cálculo com base nas renúncias fiscais apontadas pela Receita Federal em relação à propaganda partidária do ano de 2016 e 2017 e agora chega a mensagem retificativa que traz uma economia de meio bilhão de reais aos cofres públicos”, disse.

Assim que a fiscalização feita pelos deputados e pelos técnicos da liderança confirmaram um erro no cálculo, no início do mês de setembro, o deputado Marcel e os sete colegas de bancada do Partido NOVO enviaram ao Ministério da Economia uma nota Técnica solicitando a correção. O cálculo do Fundão leva em consideração dois valores como referência: o primeiro é a soma das compensações fiscais com que o governo teve de arcar com propaganda partidária para os anos de 2016 e 2017, corrigidos pelo INPC; o segundo corresponde ao total de 30% das emendas de bancada. A falha foi identificada na computação do primeiro valor.

“O Partido NOVO sempre defenderá o fim do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral, pois não usa dinheiro público para se financiar e para financiar a campanha de seus candidatos . Se ainda cabe ao governo a destinação desse recurso, permaneceremos fiscalizando para que o contribuinte seja respeitado e não perca um centavo a mais com esse desperdício destinado para campanhas eleitorais que não constem no orçamento do ano que vem”, destacou Marcel, parabenizando, ainda, o governo pela boa vontade em rever os cálculos, demonstrando responsabilidade com o dinheiro público.

Os comentários estão encerrados.