Câmara dos Deputados aprova a Nova Previdência em segundo turno sem alterações ao texto

“É preciso privatizar os Correios”, defende o deputado Marcel
6 de agosto de 2019
O NOVO é contra o repasse de R$ 3,7 bi a Campanhas Políticas
8 de agosto de 2019

A Reforma da Previdência foi aprovada em segundo turno durante Sessão Plenária da Câmara dos Deputados iniciada nesta terça-feira (6/8) e concluída já no início da madrugada de quarta-feira (7/8). O texto-base da PEC 6/2019 contou 370 deputados favoráveis e 124 contrários, sendo que o deputado federal Marcel van Hattem (NOVO-RS) e os outros sete deputados da bancada do Partido NOVO estão entre os parlamentares que votaram favoravelmente à Nova Previdência, à exemplo do que ocorreu na votação da proposta em primeiro turno.

Durante a manhã de quarta-feira a sessão foi retomada para que os destaques ao texto fossem apreciados. No total, oito destaques foram apresentados e o NOVO, cujo líder é o deputado Marcel, foi o único partido a apresentar destaque que não faz parte da oposição.  O destaque do NOVO à PEC da Previdência pretende combater privilégios e tornar a proposta ainda mais equânime para toda a população.

Bancada do NOVO foi totalmente favorável à Reforma da Previdência

“A regra de transição que pretendemos suprimir beneficia principalmente servidores antigos ao permitir que se aposentem cedo, com benefícios elevados. Se aprovada, a regra custará mais de R$ 100 bilhões aos cofres públicos na próxima década, dos quais R$70 bi beneficiarão 238 mil servidores. É dinheiro do bolso dos brasileiros em benefício de 0,1% de privilegiados”, explicou o deputado Marcel.

Ao final da sessão de quarta-feira, nenhum dos oito destaques apresentados ao texto aprovado em segundo turno foi acatado. Com o fim da tramitação na Câmara dos Deputados, a Nova Previdência segue ao Senado. “O Brasil tem pressa e a Reforma da Previdência precisa ser concluída o quanto antes para que o déficit fiscal causado pelo sistema previdenciário possa começar a ser sanado e para que as demais reformas necessárias, como a tributária, possam estar no centro da discussão do Parlamento o quanto antes”, indica o deputado Marcel.

Os comentários estão encerrados.